sexta-feira, 4 de março de 2011

A COR DO SOM




TOM

Intensidade que tanto colore o entardecer
Emudece ao vento breve
Como se colhesse a brisa ao tempo
Tornado repentinamente indiferente
A poesia em que se abrevia

Palavras que nem sei
Por algo de poder maior
Fluem como gestos simplesmente
Tépidas carícias
Que os olhos partilham
Enxergam
Mas não explicam

Miguel Eduardo-

Um comentário:

marilandia disse...

"A COR DO SOM" flui, verso a verso, no colorido do entardecer, tal como "Tépidas carícias".

MAGNÍFICO!!!

Beijos.
Marilândia